Luciana Maas

"As referências plásticas de Luciana Maas são claras: neoexpressionismo e bad painting de uma maneira ampla, mas com predileções muito precisas por de Kokoschka, Polke, Rauschenberg ou Kirpenberger entre outros. (…) suas pinturas são feitas como um mergulho no espaço da tela, quase sempre em grandes formatos, e com uma energia incessante. São o resultado de sucessivas camadas de tinta trabalhadas com as mãos, pincéis e, eventualmente, spray. Não há nada programático no seu processo de trabalho ou na concepção da pintura, que transita entre abstrata e figurativa, sem tomar um lado, e nem seu conteúdo é equacionado pela presença ou ausência de um imaginário reconhecível de citações.


Têm como tema o encontro visual com o inesperado no movimento mesmo de pintar, quando a artista captura a metamorfose do plano em pintura. Cada obra tem a sua singularidade e demanda um longo processo para lograr seu estado final: algo que pareça não estar terminado. Em movimento, sempre." Ivo Mesquita