A condição sensorial e a expressão subjetiva das obras de Giulia Puntel sobrepõem sua habilidade formal com a pintura. As situações apenas insinuadas que surgem nas complexas composições pictóricas da artista suspendem identidades e naturalizações fáceis, através das formas distorcidas e sugestivas que magnetizam quem as encontra.


Seu imaginário visual é profundamente lírico, reflexivo e enigmático. Estruturado por um repertório onde partes ou recorte de um todo não são revelados, mesmo quando calcado na representação de algo concreto, ela coloca em dúvida as posições de verdade e reconhecimento em torno do objeto. Giulia busca dar foco e transparência para aquilo que soa evidente e, ainda assim, é indizível, fantasmagórico.